sexta-feira, 28 de maio de 2010

Sem perdão para os chatos

Gostaria de começar este texto mandando cerca de metade da população mundial para um lugar bem feio, mas isso seria muito indelicado de minha parte. Por isso, deixarei que o xingamento permeie sutilmente por estas linhas e torcerei para que as pessoas certas vistam a carapuça.

O que não deveria ser nada difícil, diga-se de passagem. Em minha relativamente curta passagem por estas bandas terrenas, tenho reparado que o que mais há por aí é gente que cuida da vida alheia. Estes representantes indignos da espécie constituem uma classe tão organizada e sólida da raça humana, que recebem até alcunha própria: Os chatos. E se você está achando que este é um texto direcionado a alguém especial, se engana -- neste preciso momento, garanto-lhe que há alguém tecendo considerações descabidas sobre você, sobre este autor e até mesmo sobre aquele tiozinho gente boa que vende cachorro quente na esquina. E nem adianta gastar seu latim tentando adestrar estes seres de prioridades duvidosas: Você vai falhar.

Felizmente, vivemos em tempos em que para cada problema existe uma solução. E a mais eficaz, aqui, é aquela a que todos nós temos acesso desde que nos tornamos capazes de balbuciar as primeiras sílabas: O palavrão. Marginalizado por uns, censurado por outros, o fato é que existem poucas coisas mais eficientes que um palavrão bem direcionado para abordar os chatos. “Todo mundo merece uma segunda chance, menos os chatos”. Mas merecem palavrões, são muito dignos deles.

Não há nada mais prazeroso que mandar alguém à merda, especialmente alguém desocupado o suficiente para crer que tem direito de opinião sobre a roupa que você veste, a asneira que você come, o cigarro que você fuma. E não só crê no tal direito como o exerce quase que tão naturalmente quanto respira. Por esta razão, são os chatos que nos proporcionam um deleite quase orgásmico quando exibem as mais desconcertadas expressões de surpresa ao ouvirem um sonoro “Vá à merda”.

Isso mesmo, meus amigos, um xingamento a um representante daquela classe provoca a mais genuina surpresa -- sempre. Porque os chatos, além de serem chatos, não tem consciência deste fato. Na verdade, todo chato que se preze se acha a pessoa mais legal do mundo. Sua voz é a mais melodiosa, sua companhia a mais agradável, seus comentários os mais lisonjeiros. Ninguém sensato poderia imaginar que ele é um chato, não ele. Na verdade, ele odeia os chatos com todas as suas forças, e até manda alguns à merda por iniciativa própria. E olha para trás, incrédulo de que é com ele, quando você finalmente perde a paciência, enche a boca e solta: “Vá à merda”.

Mas não podemos ser radicais. Até mesmo os chatos tem o direito de existirem, os pobres. Apóio seu movimento, e até mesmo prontifico-me a erguer bandeiras pró-chatice -- tudo pelo direito de ir e vir dos nossos primos desprovidos de ‘semancol’. Mas suplico que o façam bem longe de mim, para evitarem o constrangimento de serem enviados à merda.

Assim, posto que a extinção dos chatos está fora do nosso alcance, sugiro a reinstauração imediata do palavrão em todos os círculos sociais como medida sócio-educativa. Acabemos com o exílio, anistia ao palavrão! Ensinemos a nossos filhos, e aos filhos de nossos filhos, esta dádiva cultural tão injustiçada e efetiva para a manutenção do convívio social. E se não concorda, se acha que não existe nada mais feio que um xingamento, que não passa de agressividade injustificada: Você é um chato e este texto é para você. Vá a merda.



O autor no twitter: @fabio_piva

16 comentários:

  1. Bom seu chato... rsrsrs... sabe q sou sua fã!!
    E tens toda a razão concernente à chatice dos chatos que nos permeiam... perfect!!!
    Sua amiga não menos chata... Edilene

    ResponderExcluir
  2. O que dizer? Espero que eu não seja a chata! rs Fácil de ler, engraçado, inteligente, verdadeiro. Sua cara! Amei! Parabéns! Beijo grande! Renata

    ResponderExcluir
  3. Porra, PQP como tem FDP chato nesse fucking world, VTNC! Hehe, ótimo o post, Fabio, mas vamos confessar q tds temos um pouco de chatisse. Com moderação até q é bom, mas gente q não tem vida e pega a dos outros pra cuidar tem mais é q se fuder. Sabe, posso até ter umas manias e às vezes ser meio neurótica, mas nunca fico controlando a vida dos outros, assim como não quero q controlem a minha. Cada um toma conta do próprio rabo XD

    ResponderExcluir
  4. OMG!!

    Definição perfeita. Uma pena que nunca tive a oportunidade de mandar umas das pessoas mais chatas que conheci a merda. Nunca tive coragem =/

    Texto muito bom \o/

    ResponderExcluir
  5. De fato, existem muitas pessoas que cuidam da vida alheia e todas elas TODAS, sem exceção são malditas.
    Apesar de sua sentença provocar uma cena de “chatura”, ela não deixa de ser um aximoa: “Todo mundo merece uma segunda chance, menos os chatos”. E nada melhor do que um palavrão para essas criaturas que insistem em deixar nossas vidas mais insuportáveis e aguçam ainda mais o nosso lado anti-social. O palavrão entra no caso como uma espécie mais ogra do “Bazinga”.

    Portanto, eu creio que você concluiu magistralmente o que vem a ser a “arte do xingamento” e qual é o seu grande objetivo. Palavras muito bem colocadas, e o melhor do texto é o: “Vá a merda” final, pois certamente alguém ficará de #mimimi e indignado com o fato de você estar instigando ao “alívio” do estress de suportar algum chato através do xingamento.

    Gostei muito do texto, continue escrevendo!!! ^^

    ResponderExcluir
  6. 'Caráleo, que texto foda!' -- pronto, acho que me fiz entender! Algumas coisas são intraduzíveis, exceto através de um sonoro e bem-gesticulado palavrão. Sim, mesmo com meus ares de Hello Kitty, eu concordo com teu insight, e presto a maior atenção naquilo que você diz. Beijo grande!

    ResponderExcluir
  7. Às vezes, acho que falo palavrões demais no dia. Seu texto acaba de me dar uma justificativa plausível para isso. É necessário para evitar um enfarte precoce mandar os chatos - nem que seja mentalmente - à merda. O problema é que eles não vão. Estou quase indo eu pra tentar me distânciar.
    Excelente texto: ácido, rápido e completo. Excelente estréia. Parabéns e continue escrevendo. Mas, cuidado - deixar sua opinião escancarada por aí na internet também atrai... chatos.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o texto. Me identifico com os desbocados e grossos. O palavrão não é uma mera opção dos mal educados. É a melhor forma de defesa contra os "cuidadores" da vida alheia e dos chatos, em geral.
    Parabéns pela escolha do tema. Aguardo o próximo!

    ResponderExcluir
  9. Essa nova raça de patrulheiros está mais organizada e mais imbuída de "poderes" do que nunca. Patrulhar a vida dos outros é atividade condecorada com estrelinha de honra ao mérito na sociedade ocidental de hoje em dia.

    Mas vc tem razão: se ao invés de tentar argumentar com eles, com palavras muito sensatas (para as quais eles sempre têm textos prontos), adotássemos a tática kamikaze de simplesmente mandá-los à merda, talvez conseguíssemos colocá-los em seus devidos lugares com mais eficiência.

    Gostei.

    ResponderExcluir
  10. Lizandra Oliveira30 de maio de 2010 18:02

    Eu sou muito famosa por ser "chata". Não tolero desorganização. Não suporto incompetência, não compactuo com mediocridade, nem falta de amor próprio. Também não suporto que façam barulho em minhas poucas horas de sono. Tenho mania por sapatos, em caixas. Prefiro verdades, tenho asco a mimimis. Minha cama precisa ter lençois limpos, sempre! Também me nego a usar banheira de motel! Homens devem ser sempre homens para mim, sem manias femininas... não aguento metro sexuais.
    Não sei rir quando NAO acho graça. E não choro em filmes romanticos... [ok, exceto na TPM!]. Tenho poucos amigos reais já que seleciono quem divide o ar comigo! Gosto de vinho. Cerveja só alemã! Uso 2 ou 3 perfumes no máximo! Cheiro é identidade prá mim. No meu carro, nada de cigarros! Quando perguntam "td bem?" falo sempre a verdade... doa a quem doer. Se me dão bom dia, retribuo. Sem muitos sorrisos. Sou cômica, não engraçada. Passo cremes DIARIAMENTE, religiosamente. Leio 2 a 3 livros por mês! Juntos, de preferência. Se como doce, caminho! Se como pouco, uso roupas justas! Não sei ser de improviso, acho falso! Enfim, sou uma chata! hahahahah

    Lindo teu texto!!! V E R D A D E I R O!!

    bj

    ResponderExcluir
  11. Porra, Caralho tô avisando que estou indo a merda pois tds os chatos que conheço, nunca entenderam que eles realmente são chatos e por isso nunca foram para lá.
    Portanto eu vou. Só então fikarei livre desta classe abominável. Encontro à tds Vc´s lá.

    ResponderExcluir
  12. Esse texto me lembrou um grande chato não muito amigo meu. Ele é do tipo que, quando te vê com um tênis novo, te pergunta porque você não comprou um chinelo na feira. Confesso que há muitas oportunidades quase o mandei a merda e, prometo, não tardiamente, o farei. Obrigada pelo incentivo!

    ResponderExcluir
  13. Chato é esse seu texto.. proposta inutil, texto inutil, com conclusão inutil.. VÁ A MERDA INCLUSÃO SOCIAL, que faz com que qualquer nerd medéocre achar que faz os melhores textos.

    ResponderExcluir
  14. Sei não...mas acho que HM é mulher. É mulher e chata. Chata e tem espinhas. Tem espinhas e está de TPM. Está de TPM e não trepa. Não trepa e vestiu a carapuça.

    Ai...falei "trepa". É palavão?

    ResponderExcluir
  15. Eu acho que dizer “vai à merda” deveria ser obrigatório, meio que um ritual ao acordar...

    O sujeito acorda e diz um VAI A MERDA geral e pronto, o dia dele está pronto pra começar.

    Estou amando teu blog. Comecei a ler primeiro os últimos textos, porque até pra ler blog’s eu sou estranha.

    Vanessa Pinho

    ResponderExcluir
  16. PUTZ! vou te confessar que este é o meu termo favorito... é eficaz. Um 'vai à merda' é meio que um coringa, vem carregado de tantos outros palavrões que expressam tanta irritação e indiferença quanto ele mesmo. Põe um ponto final na chateação e relaaaaaaaxa! haha

    Enfim, peguei hoje para ler seus textos e apesar deste ter sido a sua estréia com o PN foi o último que eu li.

    Coincidentemente escrevi um texto que trata desses mesmos seres chateantes.

    Parabéns pelos textos! abraço!

    Solteiro

    http://solteirices.wordpress.com/

    ResponderExcluir